Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 03/12/2019 09:14
   
 

  Brasil fica abaixo da média em ranking mundial que avalia a educação

Augusto Fernandes
www.correiobraziliense.com.br Foto: Nicolas Braga/Esp. CB/D.A Press

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou, nesta terça-feira (3/12), os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), referentes a 2018. A prova é aplicada a cada três anos a estudantes de todo o mundo matriculados a partir do 7º ano do ensino fundamental na faixa etária dos 15 anos e abrange três áreas do conhecimento: leitura, matemática e ciências.

Apesar de ter demonstrado uma pequena evolução em comparação ao exame de 2015, o Brasil acumulou resultados inferiores à média global definida pela organização. De qualquer forma, registrou a 57ª colocação dentre 79 nações avaliadas, com 487 pontos. No ano passado, 600 mil alunos fizeram a prova.

Segundo a OCDE, 10.691 estudantes de 638 escolas se submeteram ao teste no Brasil. Em leitura, o país registrou 413 pontos; em matemática, 384; e em ciências, 404 — em 2015, o Brasil tinha feito 407 pontos em leitura; 377, em matemática; e 401, em ciências —, enquanto isso, a média dos países da OCDE, grupo formado por 37 países, foi de 487, 489 e 489 pontos, respectivamente. A nível de comparação, a China, país mais bem avaliado no ranking, alcançou 555, 591 e 590 pontos, na sequência.

A OCDE constatou que não houve mudanças significativas nos resultados brasileiros. Apesar de as pontuações terem sido superiores em detrimento à prova de 2015, o país está estagnado, de acordo com a organização. Dos países latino-americanos que aplicaram o teste, Chile, México, Uruguai e Costa Rica superaram o Brasil nos três quesitos. A Colômbia obteve resultados melhores em matemática e ciências, enquanto o Peru venceu o Brasil apenas em matemática. Os demais — Argentina, Panamá e República Dominicana — tiveram notas inferiores às dos estudantes brasileiros.

A partir das notas, os alunos foram classificados em oito níveis de proficiência. As tarefas mais simples da avaliação correspondiam ao nível 1C. Já os níveis 1B, 1A, 2, 3, 4, 5 e 6 correspondiam a tarefas mais difíceis. De acordo com os resultados do Pisa, apenas 2,5% dos alunos brasileiros alcançaram os níveis mais altos de proficiência (5 ou 6) em pelo menos uma disciplina. Enquanto isso, 43,2% obtiveram pontuação abaixo do nível mínimo de proficiência (2) nos três componentes — na América Latina, apenas Panamá e República Dominicana registraram índices inferiores, e dentre as 79 nações, o Brasil foi o 9º pior neste quesito.

Diferenças socioeconômicas e comportamento

As condições socioeconômicas dos estudantes foram determinantes para o desempenho do Brasil na avaliação. A região Nordeste, por exemplo, acumulou os piores índices: 389 pontos em leitura; 363, em matemática; e 383, em ciências. A região Sul foi a que mais se destacou, mesmo assim, teve notas abaixo das médias da OCDE: 432 pontos em leitura; 401, em matemática; e 419, em ciências.

Como consequência, muitos estudantes, especialmente os mais desfavorecidos, têm poucas ambições para o futuro, devido ao seu desempenho acadêmico. No Brasil, cerca de um em cada 10 alunos desfavorecidos e de alto desempenho não espera concluir o ensino superior. Já dentre os alunos favorecidos e de alto desempenho, a porcentagem é menor: um em cada 25 não acredita que vai terminar uma faculdade.

O Pisa ainda constatou aspectos alarmantes sobre a disciplina dos jovens brasileiros. Nas duas semanas anteriores à aplicação da prova, 50% dos estudantes faltaram ao menos um dia de aula, enquanto 44% chegaram atrasados à escola. Além disso, cerca de 41% dos alunos responderam que o professor tem de esperar um longo tempo para que toda a turma faça silêncio e concentre no conteúdo, e 29% afirmaram sofrer bullying mais de uma vez por mês.

Desempenho por gênero e família

Em todos os países e economias que participaram do Pisa em 2018, as meninas superaram significativamente os meninos na leitura — nos países da OCDE, a média foi de 30 pontos. No Brasil, o resultado foi parecido: o desempenho das meninas foi melhor em relação aos meninos em 26 pontos. Já em matemática, os meninos venceram por 9 pontos — resultado superior à média da OCDE, de 5 pontos. E em ciências, a diferença entre os dois gêneros foi pequena: as meninas, assim como na média estabelecida pela organização, ficaram à frente por 2 pontos.

O Pisa também analisou como os pais dos estudantes participam da vida escolar dos filhos. De acordo com os resultados, no Brasil, apenas 30% dos responsáveis pelos estudantes discutem o progresso dos filhos por iniciativa própria, enquanto 43% participa após serem notificados pelos professores.

Dentre as justificativas utilizadas pelos pais para não estarem muito presentes, 45% responderam que ou não acham que a sua participação é relevante para o desenvolvimento dos filhos, ou que não sabem como poderiam participar das atividades escolares ou que os filhos não querem a sua presença no colégio.

Desempenho por região em cada área de conhecimento

Leitura

Norte - 392 pontos

Nordeste - 389 pontos

Sul - 432 pontos

Sudeste - 424 pontos

Centro-Oeste - 425 pontos

Matemática

Norte - 366 pontos

Nordeste - 363 pontos

Sul - 401 pontos

Sudeste - 392 pontos

Centro-Oeste - 396 pontos

Ciências

Norte - 384 pontos

Nordeste - 383 pontos

Sul - 419 pontos

Sudeste - 414 pontos

Centro-Oeste - 415 pontos

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Pesquisa Datafolha: 36% desaprovam governo Bolsonaro

Vacina da gripe será oferecida a partir de 55 anos

Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda

Após alta no preço da carne, aumento no consumo de ovos dispara valor do produto

Preso suspeito de clonar WhatsApp e aplicar golpes de mais de R$ 60 mil em Goiânia

Assembleia Legislativa de Goiás aprova matéria que obriga classificação das barragens por categoria

Segurança deflagra Operação Natal Seguro em Goiás

Nascidos em setembro e outubro sem conta na Caixa podem sacar FGTS

Cesta básica sobe em nove capitais em novembro, diz Dieese

Homem é preso suspeito de estuprar duas enteadas e de se passar por policial para ameaçá-las, em Goiânia

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2019 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato