Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 10/10/2019 07:47
   
 

  Lei obriga comércios a usarem apenas canudos biodegradáveis em Goiás

Vítor Santana
www.g1.com Foto: Reprodução TV Anhanguera


Uma lei sancionada pelo governo de Goiás proíbe o uso de canudos plásticos em bares, restaurantes e comércios do estado. Os estabelecimentos têm o prazo de um ano para se adaptar à nova regra. A partir de então, eles só poderão oferecer aos clientes canudinhos feitos com materiais biodegradáveis.

Caso os comércios não respeitem a lei, pode ser aplicada uma multa que varia de R$ 500 a R$ 3 mil. O valor será destinado ao Fundo Estadual do Meio Ambiente.

Pela legislação, para ser considerado biodegradável, o produto deve se decompor em um período de até 18 meses e o resultado disto deve ser apenas gás carbônico, água e biomassa. O objetivo é reduzir os danos ao meio ambiente.

Caso os estabelecimentos não respeitem a nova legislação, pode ser aplicada uma multa que varia de R$ 500 a R$ 3 mil. O valor será destinado ao Fundo Estadual do Meio Ambiente.

Adaptação dos comerciantes

O diretor executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Frederico Costa, disse que a aprovação da lei não foi uma surpresa. “Essa lei já vem de outros estados, então estávamos esperando que ela fosse chegar aqui. Então, muitos bares e restaurantes já estavam se adaptando”, afirmou.

Outro fator que contribuiu foi a lei municipal sobre o tema, que proíbe o uso dos canudos plásticos nos comércios de Goiânia, sancionada em junho. “Com isso, a maioria já estava se adaptando. O próprio cliente também foi mudando seu hábito, levando seus canudos. O prazo para a adaptação não é o ideal, mas essa mudança já está acontecendo”, completou o gerente.

Além de se adaptar ao novo tipo de canudo, os bares também vão precisar se adaptar ao preço. Segundo o representante da Abrasel, os donos de comércio estimam que canudos biodegradáveis são entre 25% a 30% mais caros.

“Essa diferença não foi repassada ao cliente. Esperamos para ver se, com o fim do canudo de plástico, as empresas que fazem com material biodegradável cobrem um preço diferente”, disse.


   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Congresso se articula contra o fim do DPVAT

Desmatamento na Amazônia cresce 29,5% em um ano, apontam dados do Inpe

Mais de 823 mil aderem ao saque-aniversário do FGTS em 2020

Senado estuda Projeto de Lei favorável à prisão após segunda instância

Óleo já atingiu pelo menos 675 áreas de 116 cidades, informa Ibama

Organização social abre inscrições de processo seletivo com 586 vagas para 3 hospitais públicos de Goiás

Projeto que rescinde contrato com a Enel Goiás é apresentado na Assembleia Legislativa

TCE aponta mais de 1,7 mil irregularidades na folha de pagamento de cinco órgãos do governo de Goiás

Operação do Ministério Público de Goiás desmantela esquema de emissão fraudulenta de certificados pelo Corpo de Bombeiros

Carro da Prefeitura de Silvânia é apreendido por irregularidades no transporte de material hospitalar

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2019 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato