Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 20/09/2019 07:52
   
 

  Técnica em enfermagem é presa suspeita de falsificar e vender atestados médicos para presos em Inhumas

Danielle Oliveira
www.g1.com Fotos: Divulgação/Polícia Civil

A técnica de enfermagem Kênia Cristina dos Reis foi presa suspeita de falsificar e vender atestados médicos para pelo menos dez presos do regime semiaberto em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo o delegado Miguel Mota, responsável pela investigação, por ser servidora pública, ela tinha livre acesso a hospitais e isso facilitava a realização os crimes.

“Do consultório dos médicos, ela subtraia os blocos de atestado em branco e, se aproveitando da distração dos médicos, carimbava os atestados, preenchia e falsificava a assinatura, tentando imitar a assinatura dos médicos”, explica o delegado.

De acordo com o delegado, a polícia começou a investigar o caso após a denúncia de promotores de Justiça. Eles perceberam, durante a atuação dos processos de execução penal, que vários presos estavam apresentando atestados médicos com a mesma assinatura.

“Diante dessa suspeita de que os atestados poderiam ser falsificados, os promotores requisitaram investigação, e nós obtivemos várias provas que, de fato, esses atestados não foram emitidos pelos médicos, cujos nomes constavam nesses atestados”, conta o delegado.

Segundo o delegado, a técnica de enfermagem vendia os atestados para os presos do semiaberto.

“Os presos usavam esse atestado para que eles pudessem faltar no cumprimento da pena, mas sem que fossem regredidos, já que apresentariam esses atestados para abonar as faltas”, explica.


Atestados por R$ 100

Miguel explica que o esquema começou depois que um dos presos, que é conhecido de infância da suspeita, pediu que ela falsificasse um atestado. “O preso que era amigo dela começou a indicar para outros presos. Ela vendia por R$ 50 a R$ 100, dependendo da quantidade de atestados”, disse.

Diante da confissão e das provas, o delegado pediu a prisão preventiva dela para evitar que ela continuasse com essa conduta de fornecer atestados médicos para os presos, já que era uma prática constante. A servidora deve responder por falsificação de documento público.

O delegado explicou que os presos que compraram os diplomas falsificados devem responder por uso de documento falso.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  STF mantém decisão que liberou entrada de turistas em Pirenópolis

Goiás ultrapassa cinco mil casos confirmados de coronavírus e registra 164 mortes

Secretaria da Saúde monitora 85 pessoas em Silvânia e tem quatro casos suspeitos de coronavírus

Prefeitura de Orizona lança aplicativo Monitora Covid-19

Sobe para cinco o número de casos confirmados de Covid-19 em Vianópolis

Prazo para pagar IPTU em parcela única e com desconto em Silvânia vence no dia 15 de julho

Bolsonaro veta repasse de R$ 8,6 bi de projeto para combater coronavírus

Vacina de Oxford contra Covid-19 será testada em 2 mil voluntários no Brasil

Petrobras reajusta em 5% preço do gás de cozinha

Índice de isolamento continua no estágio crítico em Goiás e fica abaixo de 35%

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2019 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato