Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 11/05/2019 08:54
   
 

  Ex-governador Alcides Rodrigues é condenado a 10 anos e 10 meses de prisão

Do Mais Goiás
www.emaisgoias.com.br Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A justiça condenou o deputado federal e ex-governador de Goiás Alcides Rodrigues (PRP) a 10 anos e 10 meses de prisão em regime fechado. Ele foi condenado pelos crimes de associação criminosa, peculato e declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita para fins eleitorais.

Os delitos estão relacionados às eleições para governador do estado de 2006, ocasião na qual o condenado se elegeu. O juiz eleitoral Antônio Cézar Meneses, disse na sentença que Alcides tinha pleno conhecimento das condutas ilícitas e que foi “beneficiado de todo esquema criminoso”.

Além de Alcides, a sentença condenou também outras cinco pessoas. Ela cita também o ex-governador e ex-senador Marconi Perillo. O processo, entretanto, foi desmembrado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por esse motivo, as tramitações seguem caminhos diferentes.

Crimes

O documento afirma que os sentenciados contrataram a empresa Multcooper durante a campanha de 2006 para contratação de pessoal. O valor pago a essa empresa foi de cerca de R$ 598 mil e seria dividido entre Alcides Rodrigues e Marconi Perillo. No registro de prestação de contas do tucano consta o pagamento de R$ 416 mil à empresa.

O juiz eleitoral Antônio Cézar Meneses, responsável pelo caso, afirma que essas movimentações deixam claro que a empresa foi contratada para movimentar dinheiro de caixa dois.

“Isso, por si só, deixa latente a utilização dessa pessoa jurídica para movimentar recursos extraoficiais”, diz o juiz “Mas o fato de terem sido demonstrados pagamentos realizados em espécie a prestadores de serviços não deixa pairar dúvidas da prática desse delito”.

Não sabia

A defesa de Alcides alegou que ele mesmo não foi responsável pela campanha, uma vez que era governador e que tinha muito trabalho a frente do cargo. Por esse motivo, ele havia delegado a outra pessoa esse tipo compromissos. Além disso, foi solicitada a absolvição com a justificativa de que o processo não havia identificado nenhum ato doloso e pela “fragilidade das provas existentes”.

O juiz, por sua vez, disse que a “aparente displicência também se apresenta com o pessoal que cuida da parte financeira da campanha e da prestação de contas”. De acordo com o magistrado, os responsáveis pelas finanças da campanha não souberam dizer nem quem foi o responsável pela entrega das contas ao Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO).

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Acidentes de trânsito ferem mais de 400 pessoas por dia, no País

Governo autoriza o dobro de nomeações de aprovados no concurso da Polícia Federal

ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre

Theresa May renuncia ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido

PRF apreende carga de cigarro irregular avaliada em R$ 4 milhões, em Jataí

Administração em Ação oferece vários serviços gratuitos para a população neste sábado na UEG de Silvânia

Servidores da Secretaria Estadual de Educação são suspeitos de fraudar obras de escolas em Goiás

Coopersil de Silvânia comemora 20 anos de fundação

Aeronave do GRAER faz policiamento preventivo na 47ª Companhia da Polícia Militar

Previ Cidade de Silvânia encerra atividades

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web