Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 15/04/2019 07:25
   
 

  MP quer que mineradoras esvaziem barragens e removam moradores em Catalão

Paula Resende, G1 GO
www.g1.com Foto: Divulgação


O Ministério Público de Goiás pediu à Justiça que empresas de Catalão esvaziem e desativem as barragens de rejeitos, com urgência. O órgão também quer que a população seja removida e alojada em local seguro até que a desativação seja concluída.

A reportagem entrou em contato, por e-mail, com a Mosaic Fertilizantes P&K Ltda e a Coperbrás Indústria Ltda para que se posicionem sobre o pedido do órgão e aguarda retorno.

Em relação à barragem da Mosaic, empresa que extrai e comercializa fosfato e potássio combinados, a própria companhia interditou a estrutura na última quinta-feira (11), por falta de documentos que atestem a segurança da barragem. A empresa também acionou os Planos de Ação de Emergência para Barragens de Mineração “no nível 1 de emergência, sem a necessidade de evacuação da Zona de Autossalvamento”.

De acordo com nota publicada no site da Mosaic, estudos continuam para conseguir a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE), exigida pela Agência Nacional de Mineração (ANM) para o funcionamento do local. A companhia espera que os estudos sejam finalizados ainda em abril.

Esvaziamento

Assinado pelo promotor de Justiça Roni Alvacir Vargas, o pedido do MP-GO também foi feito na última quinta-feira.

No texto, ele explica que, após a tragédia de Mariana, em Minas Gerais, a 3ª Promotoria de Catalão investigou as condições de segurança e estabilidade das barragens e constatou que elas são classificadas como de baixo risco. Entretanto, considera que tem alto dano potencial associado e impacto ambiental significativo. Por isto, resolveu entrar com o pedido na Justiça.

Em relação à remoção dos moradores, o promotor se refere aos que moram na Zona de Autossalvamento (ZAS). Ele quer que a população seja transferida, com todas as despesas pagas, para casas seguras na cidade.

Fim das autorizações

No julgamento final da ação, o promotor ainda pede que o Estado seja condenado a não autorizar ou licenciar obra de construção de barragem de rejeitos. Ele também quer que não sejam liberados nem novos alteamentos das barragens de rejeitos.

O MP-GO também solicita que o Poder Judiciário determine a revisão, por meio do órgão ambiental, do processo de beneficiamento da rocha fosfática. O promotor pede que seja exigido o uso de tecnologia que dispense o armazenamento de rejeitos em barragens.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, por e-mail, para que se posicione sobre o pedido do MP e aguarda retorno.


   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  A uma semana do fim do prazo, 12 milhões não enviaram declaração do Imposto de Renda

Caiado sanciona lei que regulamenta vaquejada como atividade cultural em Goiás

Procura por vacinação contra gripe em Goiás é baixa, diz Secretaria Estadual de Saúde

Governo de Goiás anuncia regras para vacinação contra aftosa em maio

Quartel do Corpo de Bombeiros de Silvânia deve ser entregue em maio

Homem é assassinado a golpes de foice em Bela Vista de Goiás

Agrotóxicos estão presentes na água de mais de mil cidades brasileiras

Mulher morre no hospital e número de mortos em Muzema sobe para 24

Dados sigilosos sobre Previdência ameaçam votação nesta terça na CCJ

CCJ da Câmara deve votar hoje relatório da reforma da Previdência

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web