Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 09/02/2019 07:55
   
 

  Maguito Vilela terá R$ 2 milhões bloqueados em ação por improbidade

Bárbara Zaiden
www.emaisgoias.com.br Foto: Mais Goiás

O ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), e o ex-secretário de Infraestrutura, Mário José Vilela, estão envolvidos em uma ação por ato de improbidade administrativa. Os dois terão R$ 2 milhões em bens bloqueados. O processo é sobre a contratação ilegal de empresa para fornecimento de insumo asfáltico para o município. O caso é baseado na Lei de Improbidade Administrativa.

Segundo o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), o superfaturamento dos materiais teria gerado um prejuízo de R$ 750.896,43. A ação do Ministério Público de Goiás (MP-GO) é para que  Maguito e Mário sejam responsabilizados na contratação ilegal.  Em 2009, foram contratadas duas empresas, sem licitação, no valor de mais de R$ 1 milhão para o fornecimento de insumo asfáltico para a conclusão de pavimentação e galerias de água pluvial.

“Sem qualquer providência cautelar, visando apurar os valores de mercado, com base unicamente nos valores mostrados pelas empresas, foi concluída a negociação”, afirma a promotora de Justiça Ana Paula Antunes Vieira, autora da ação. Ela ainda explica que o TCM já aplicou sete multas relativas a essas contratações irregulares. Os auditores do Tribunal não conseguiram provar a entrega dos materiais ao inspecionar os locais onde eles deveriam ter sido utilizados.

Contratação irregular

Segundo o Ministério Público de Goiás (MP-GO), não foi realizado nenhum estudo que justificasse a quantidade de material adquirida para a conclusão das obras. Isso porque todo o processo aconteceu em apenas um dia: desde o início de procedimento na Superintendência de Licitações, passando pela solicitação e o envio das ruas e dos materiais e, por fim, a determinação para o chamamento das empresas cadastradas para apresentação das propostas.

Dois dias depois, duas empresas apresentaram as ofertas. Segundo o MP-GO, Maguito Vilela decretou a dispensa de licitaçãoe ratificou e permitiu a contratação direta. O TCM ainda aponta que o superfaturamento de mais de R$ 750 mil aconteceu por falta de controle e descumprimento da lei. Nem mesmo o projeto básico teria sido respeitado, além de não existir relatório de execução do contrato e nem cautela com o dinheiro público.

O quantitativo e a natureza do material que seria necessário para a conclusão das obras já havia sido previsto no projeto básico do secretário. Porém, “não havia nenhum estudo prévio para se chegar à quantidade a ser adquirida”, explica o MP-GO.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  A uma semana do fim do prazo, 12 milhões não enviaram declaração do Imposto de Renda

Caiado sanciona lei que regulamenta vaquejada como atividade cultural em Goiás

Procura por vacinação contra gripe em Goiás é baixa, diz Secretaria Estadual de Saúde

Governo de Goiás anuncia regras para vacinação contra aftosa em maio

Quartel do Corpo de Bombeiros de Silvânia deve ser entregue em maio

Homem é assassinado a golpes de foice em Bela Vista de Goiás

Agrotóxicos estão presentes na água de mais de mil cidades brasileiras

Mulher morre no hospital e número de mortos em Muzema sobe para 24

Dados sigilosos sobre Previdência ameaçam votação nesta terça na CCJ

CCJ da Câmara deve votar hoje relatório da reforma da Previdência

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web