Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 10/01/2019 08:13
   
 

  Parecer da AGU obriga Ibama a anular multa contra Bolsonaro

Agência Estado
www.aredacao.com.br Foto: Adriano Machado/Reuters

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) teve de anular a decisão de multar em R$ 10 mil o presidente Jair Bolsonaro (PSL), por conta de uma pesca irregular em Angra dos Reis (RJ), em 2012. A decisão decorre de um parecer do fim do ano passado da Advocacia-Geral da União, que entendeu que Bolsonaro não teve acesso ao devido processo de defesa.

No dia 4 de janeiro, o superintendente-substituto do Ibama, Adilson Gil, tratou de enviar um ofício diretamente a Bolsonaro, para informar que "a decisão proferida deliberou pela nulidade das decisões administrativas" do caso, ou seja, anulou todos os atos tomados e que levaram à confirmação da multa. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o novo presidente do Ibama, Eduardo Bim, que é procurador da Advocacia-Geral da União (AGU) no Ibama, defendeu a decisão.

"Eu conheço esse processo. É uma decisão que negou o provimento de recurso (apresentado por Bolsonaro), mas não diz exatamente por que. Tem que fundamentar, estamos em um estado de direito. Por isso, acabaram mandando de voltar para ser julgado", disse. Segundo Bim, foram anulados os atos tomados até agora, mas não a autuação em si.

"Não é anulação da autuação, mas das decisões anteriores. O que foi anulado é o julgamento dos recursos dele em relação à multa", comentou. O processo terá, agora, de passar por novo julgamento. No ofício enviado a Bolsonaro, o superintendente-substituto do Ibama, Adilson Gil, informa o presidente de que, "além disso, a autoridade julgadora deliberou pela baixa imediata da restrição de crédito que ora alcança a parte, em decorrência da sua inscrição no Cadin (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal)".

A ex-presidente do Ibama, Suely Araújo, não havia sido comunicada sobre o caso. Ela pediu exoneração nesta segunda-feira (7/1). À frente do órgão ambiental desde junho de 2016, ela tomou a decisão um dia após o novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente Jair Bolsonaro questionarem via Twitter um contrato de locação de viaturas assinado por ela em dezembro. Ela já aguardava ser substituída pelo procurador Eduardo Fortunato Bim, escolhido por Salles para chefiar o órgão, mas resolveu se antecipar à nomeação oficial.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 125 milhões

Número de desempregados há mais de dois anos cresce 42,4%, diz Ipea

Copa América: Brasil empata sem gols com Venezuela

Brasil avança para as oitavas de final e Marta se torna a maior goleadora de todas as Copas do Mundo

Senado aprova revogação de decreto que flexibiliza acesso a armas

STJ decide que acusados do incêndio na Boate Kiss vão a júri popular

Detran GO anuncia redução do custo do emplacamento de veículos

Homem é preso suspeito de esfaquear ex por não aceitar término, em Catalão

APAE de Vianópolis faz campanha do cimento para construção de sua sede própria

Carreiros de Orizona iniciam romaria para Trindade

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web