Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 06/12/2018 22:04
   
 

  PF apreende R$ 10 milhões em carros de luxo, joias e imóveis de suspeitos de desvio de recursos em Goiás

Murillo Velasco e Sílvio Túlio
www.g1.com Foto: Guilherme Henrique/TV Anhanguera


A Operação Confraria, que prendeu quatro pessoas suspeitas de operar um esquema de lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos em Goiás, apreendeu e sequestrou bens avaliados em R$ 10 milhões. Segundo a Polícia Federal, entre os itens estão várias joias, 14 veículos de luxo, três apartamentos de alto padrão e duas casas de veraneio, uma delas em Armação de Búzios, no Rio de Janeiro.

Entre os quatro presos, está o ex-presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, suspeito de receber propina da Odebrecht para campanhas do ex-governador Marconi Perillo, que já havia sido preso na Cash Delivery.

De acordo com o delegado Charles Lemes, responsável pelas investigações, a ação é um desdobramento da Operação Cash Delivery, que prendeu Perillo em outubro deste ano. Segundo ele, mesmo depois da operação ter sido deflagrada, alguns membros do grupo continuavam a cometer crimes.

“O foco da investigação é apurar uma associação criminosa que efetuava cobrança de repasses indevidos, recebiam e os distribuíam no âmbito da Codego [Companhia de Desenvolvimento do Estado de Goiás]. A aproximação da Cash Delivery é que um dos alvos de hoje, ex-presidente da Agetop, mantinha contato com as pessoas que transportavam dinheiro da Odebrecht, no âmbito da última operação”.

Lemes destacou ainda que os bens apreendidos estão registrados em nomes de laranjas, o que indica a prática de crimes.

“Nas apreensões de hoje, nos deparamos com carros e imóveis de luxo que eram usados por membros da Codego, mas que não estavam no nome deles, uma característica de lavagem de dinheiro”, destaca.

Alvos

Além de Rincón, também foram presos o presidente da Codego, Júlio Cézar Vaz de Melo, o gerente geral de distritos do órgão, Márcio Gomes Borges, e a mulher dele, Meire Cristina Rodrigues, que ocupa o cargo de assessora especial da governadoria do estado.

De acordo com o delegado, dois dos presos mantiveram contato telefônico com alvos da operação Cash Delivery na data do cumprimento dos mandados da operação, em setembro deste ano.

“Isso foi uma das coisas que chamaram atenção dos investigadores. O modus operandi é o mesmo. Agora, vamos apurar a suspeita de lavagem de dinheiro, que está bem caracterizada, bem como para que este dinheiro seria utilizado, se era para enriquecimento pessoal e para que eles levassem uma vida de luxo ou se, assim como na Cash Delivery, eram destinados a campanhas eleitorais. Nada está descartado”, disse o delegado.


   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  A uma semana do fim do prazo, 12 milhões não enviaram declaração do Imposto de Renda

Caiado sanciona lei que regulamenta vaquejada como atividade cultural em Goiás

Procura por vacinação contra gripe em Goiás é baixa, diz Secretaria Estadual de Saúde

Governo de Goiás anuncia regras para vacinação contra aftosa em maio

Quartel do Corpo de Bombeiros de Silvânia deve ser entregue em maio

Homem é assassinado a golpes de foice em Bela Vista de Goiás

Agrotóxicos estão presentes na água de mais de mil cidades brasileiras

Mulher morre no hospital e número de mortos em Muzema sobe para 24

Dados sigilosos sobre Previdência ameaçam votação nesta terça na CCJ

CCJ da Câmara deve votar hoje relatório da reforma da Previdência

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web