Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 16/07/2018 07:48
   
 

  Recurso do Ministério de Público de Orizona garante a criança adotada o nome da mãe biológica falecida em seu registro

Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO
www.mpgo.mp.br Foto: MP/GO

Recurso do MP foi provido para determinar a permanência da filiação biológica no registro de E.C., em Orizona, conforme decisão do juiz Fernando de Castro Mesquita. O recurso que garantiu o reconhecimento da multiparentalidade no registro da criança adotada pelos tios, após o falecimento da mãe, foi interposto pelo promotor de Justiça Paulo Penna Prado.

Em maio de 2013, os tios da criança propuseram ação de adoção, de desconstituição do poder familiar e guarda manejada para regular a convivência familiar da criança, nascida no final de 2009. O promotor relata que a mãe do bebê, após tomar conhecimento da gravidade de seu estado de saúde, após diagnosticada com câncer hepático, pediu aos tios do garoto que cuidassem dele, propiciando-lhe condições adequadas de saúde, educação e sustento após sua morte.

Após o falecimento da mulher, em 2012, os tios do bebê assumiram seus cuidados e propuseram a regularização da sua guarda, liminarmente, para, ao final do feito, fazerem a sua adoção, como prevê a legislação.

No decorrer do processo, o MP manifestou-se parcialmente favorável ao pedido, no sentido de que fosse concedida a adoção, reconhecendo-se o direito à permanência do nome da mãe biológica no registro da criança, de forma concomitante aos pais adotivos, consagrando a tese da multiparentalidade.

O juízo de primeiro grau, no entanto, desconsiderou esse parecer, sob o argumento de que a criança nunca teve vínculo com a mãe, uma vez que tinha apenas 1 ano e 4 meses quando ela morreu, motivo pelo qual não haveria suposta ruptura de laços ou mesmo na aplicação do princípio do melhor interesse da criança, julgando procedente a desconstituição dos vínculos anteriores, sem que nada constasse no registro de nascimento, restando à criança o direito de pleitear futuramente, em juízo, autorização para retificação de registro civil em caso de multiparentalidade.

O MP, no entanto, inconformado com essa decisão, recorreu, tendo seu pedido acatado para constar no registro da criança também o nome de sua mãe biológica. Na sentença, o magistrado relata que os próprios tios do garoto, depois de tomarem conhecimento do apelo do promotor, mudaram de ideia e passaram a concordar em manter o nome da mãe biológica como forma de homenageá-la.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Ministério do Meio Ambiente suspende convênios e parcerias com ONGs por três meses

Inep divulga notas do Enem na sexta-feira

Três são presos em Pires do Rio acusados de tráfico de drogas

Mais de 62 milhões de brasileiros terminaram 2018 com CPF negativado, aponta CNDL/SPC Brasil

Brasil é o segundo país no mundo com maior número de casos de hanseníase

Bolsonaro assina decreto e facilita posse de armas no Brasil

Motorista de aplicativo é preso suspeito de estuprar passageira e anotar perfil de rede social no corpo da vítima, em Goiânia

Prefeitura de Vianópolis mantém início das aulas na rede municipal de ensino para o dia 21 de janeiro

Início das aulas na rede municipal de ensino de Gameleira de Goiás é adiado para o dia 30 de janeiro

Justiça de Goiás nega habeas corpus e mantém João de Deus preso

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web