Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 16/07/2018 07:48
   
 

  Recurso do Ministério de Público de Orizona garante a criança adotada o nome da mãe biológica falecida em seu registro

Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO
www.mpgo.mp.br Foto: MP/GO

Recurso do MP foi provido para determinar a permanência da filiação biológica no registro de E.C., em Orizona, conforme decisão do juiz Fernando de Castro Mesquita. O recurso que garantiu o reconhecimento da multiparentalidade no registro da criança adotada pelos tios, após o falecimento da mãe, foi interposto pelo promotor de Justiça Paulo Penna Prado.

Em maio de 2013, os tios da criança propuseram ação de adoção, de desconstituição do poder familiar e guarda manejada para regular a convivência familiar da criança, nascida no final de 2009. O promotor relata que a mãe do bebê, após tomar conhecimento da gravidade de seu estado de saúde, após diagnosticada com câncer hepático, pediu aos tios do garoto que cuidassem dele, propiciando-lhe condições adequadas de saúde, educação e sustento após sua morte.

Após o falecimento da mulher, em 2012, os tios do bebê assumiram seus cuidados e propuseram a regularização da sua guarda, liminarmente, para, ao final do feito, fazerem a sua adoção, como prevê a legislação.

No decorrer do processo, o MP manifestou-se parcialmente favorável ao pedido, no sentido de que fosse concedida a adoção, reconhecendo-se o direito à permanência do nome da mãe biológica no registro da criança, de forma concomitante aos pais adotivos, consagrando a tese da multiparentalidade.

O juízo de primeiro grau, no entanto, desconsiderou esse parecer, sob o argumento de que a criança nunca teve vínculo com a mãe, uma vez que tinha apenas 1 ano e 4 meses quando ela morreu, motivo pelo qual não haveria suposta ruptura de laços ou mesmo na aplicação do princípio do melhor interesse da criança, julgando procedente a desconstituição dos vínculos anteriores, sem que nada constasse no registro de nascimento, restando à criança o direito de pleitear futuramente, em juízo, autorização para retificação de registro civil em caso de multiparentalidade.

O MP, no entanto, inconformado com essa decisão, recorreu, tendo seu pedido acatado para constar no registro da criança também o nome de sua mãe biológica. Na sentença, o magistrado relata que os próprios tios do garoto, depois de tomarem conhecimento do apelo do promotor, mudaram de ideia e passaram a concordar em manter o nome da mãe biológica como forma de homenageá-la.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Inscritos no Enem já podem checar local de provas

Cerca de 85% das delegacias brasileiras não possuem servidores suficientes para realizar suas atividades

Polícia rodoviária terá mais seis unidades operacionais em Goiás

Não temos solução pronta para fake news, diz presidente do TSE

PF abre inquérito para investigar envio de mensagens no WhatsApp durante eleição

Assembleia Legislativa de Goiás deve divulgar edital de concurso nos próximos dias

Justiça Eleitoral suspende uma das rotas do transporte de eleitores em Silvânia para o segundo turno

Sedentarismo: 12% das mortes por câncer de mama são evitáveis

WhatsApp remove contas de disparo em massa de notícias falsas

Aplicação de provas do Enem 2018 terá quatro fusos horários diferentes

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2018 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Desenvolvido por DMM Web