Bem-vindo, (entrar) | www.radioriovermelho.com.br
 
   
 
       
 
 
 
 
Início > Últimas notícias > 12/10/2017 09:03
   
 

  Nove municípios goianos registram crescimento na quantidade de homicídios contra adolescentes

Amanda Sales
www.emaisgoias.com.br Foto: Mais Goiás

O número de assassinatos de adolescentes na faixa etária de 12 a 18 anos em Goiás cresceu em nove dos dez municípios com mais de 100 mil habitantes, entre os anos de 2005 e 2014. Os dados são do Índice de Homicídios na Adolescência 2014 (IHA), divulgados pela Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU).

O IHA é calculado para cada grupo de mil pessoas na faixa etária determinada. Os números mostram que se o índice continuar a subir, de 2015 a 2021, 43 mil jovens podem ser mortos no Brasil.

Em Goiás, dez municípios foram analisados: Goiânia, Águas Lindas de Goiás, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Rio Verde, Trindade e Valparaíso de Goiás.

Apenas em Luziânia o índice de homicídios de adolescentes diminuiu no período de 2005 a 2014. Neste município, o IHA saiu de 6,16 para 5,95. A cidade que apresentou a maior elevação foi Goiânia, que de 1,77 adolescentes mortos para cada mil, subiu para 4,76.

Na comparação com as outras Unidades da Federação, Goiás está na 10ª posição, com o número de 4,71 mortes para cada mil adolescentes. O estudo realizado pela Unicef mostra que esse número começou a crescer a partir de 2014.

Goiânia também está em 10º na comparação das capitais, com índice de 4,76, valor superior ao do Estado. A Região Metropolitana apresentou um crescimento, sobretudo em Aparecida de Goiânia e Trindade. A elevação do índice nestas cidades começou em 2008.

O gerente do Observatório de Segurança Pública, major Geyson Borba, explicou que, na região metropolitana, a evasão escolar é a principal causa do ingresso dos jovens na criminalidade. Uma vez no mundo do crime, o adolescente está mais suscetível à mortes precoces.

No entanto, o maior número de adolescentes assassinados está na região do entorno do Distrito Federal, cujas cidades mais violentas foram Águas Lindas de Goiás (5,33), Luziânia (5,95), Formosa (4,59) e Novo Gama (8,28). O município de Valparaíso também registrou IHA elevado, de 7,25.

Segundo Borba, o entorno do Distrito Federal é problemático por causa do crescimento desordenado da região em conjunto com a ausência de políticas públicas voltadas para os jovens. “Essas cidades são carentes pois não há investimento do Estado em educação, lazer, esporte. A inserção do jovem na sociedade de um modo geral é negligenciada”, avalia.

Situação

A pesquisa Adolescentes em conflito com a lei em Goiás: atos infracionais, vitimização e perfil socioeconômico, realizada pelo Núcleo de Estudos Sobre Criminalidade e Violência (Necrivi) da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG) e divulgada em 2015 mostra que a participação de adolescentes em crimes é menor do que a de adultos, realidade semelhante à nacional.

Nos casos em que os adolescentes estavam envolvidos em atos infracionais, os mesmos eram de natureza pequena e contra o patrimônio, em 67,7% dos casos. No entanto, 44% dos homicídios no Brasil no ano da pesquisa foram de adolescentes entre 12 e 18 anos.

O estudo do Necrivi mostrou que a maioria dos jovens que cometem crimes e estão mais suscetíveis à morte ainda na adolescência é não-branco (75,9%), vem de família de baixa renda (62,8%) e não teve acesso à educação (69,8%). Além disso, apenas 6,9% desses adolescentes recebiam benefícios de programas sociais.

O major Borba lembrou a importância da educação para reverter os altos índices de mortalidade entre os adolescentes. “Uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que quando o Estado reduz a taxa de evasão em 1%, a taxa de mortalidade, entre 13 e 21, anos cai 5%”, explica.

Além disso, segundo o gerente do Observatório de Segurança Pública, o combate ao tráfico de drogas também é um fator importante a ser levado em conta para a redução da mortalidade de adolescentes. Ele acredita que as drogas são a porta de entrada para o mundo do crime e que os jovens são mais propensos ao envolvimento com entorpecentes.

   
 
   
  Voltar
   
  Mais notícias
   
  Saúde recomenda vacina contra febre amarela aos não imunizados em Goiás

Ex-marido encomendou execução de cabeleireira em Inhumas, diz delegado

Sistema de Água de Corumbá IV deve funcionar em seis meses

Radialista é assassinado a tiros no interior de Goiás

Apesar de quedas em demais crimes, número de feminicídios quase dobra em Goiás

Pires do Rio implanta projeto que troca recipientes que acumulam água por material escolar

Polícia Civil de Vianópolis recupera celulares roubados e prende receptadores

Posto de combustíveis de Vianópolis é assaltado novamente

Após denúncia, equipe do Batalhão de Choque da PM efetua prisão de homem por porte ilegal de armas em Silvânia

Goianão 2018 começa nesta quarta-feira

Ver todas as notícias


 

Ouça

 

Assista

 
  Participe
Seu nome:
 

Seu comentário:

 
 
 
  Peça sua música
Seu nome:
 
Cidade/Estado:
 
Sua música:
 
Manda para:
 
 
 
  Redes Sociais
 

 
 
   
 
  © Copyright 2012-2016 - Rádio Rio Vermelho - Todos os direitos reservados

A Rádio | Notícias | Programação | Comercial | Equipe | Contato
Christyano.com.br